AS ILHAS MÍTICAS DO IMAGINÁRIO LUSO – Hespérides

Arquipélago mítico já consignado pelos clássicos e por Santo Isidoro de Sevilha (século VII). Assinalavam os limites ocidentais do mundo, reportando-se às ninfas da mitologia antiga, as guardiãs do Jardim das Hespérides, localizadas no sopé do Atlas, onde se encontravam as maçãs, ou pomos, de ouro.

O classicismo quinhentista interessou-se por estas referências mítico-lendárias e cultivou-as. Camões, por exemplo, não deixa de cantar as Hespérides na estrofe:

“Passadas tendo já as Canárias ilhas,

Que tiveram por nome Fortunadas,

Entrámos, navegando, polas filhas,

Do velho Hespério, Hespérides chamadas” .

António de Galvão deriva o nome Hespérides do rei Hispalo, que governou a Espanha no ano 650 depois do dilúvio, “em cujo tempo se diz que foi descoberto até o Cabo Verde, e querem alguns dizer que [até] à ilha de São Tomé e Príncipe”. A talhe de foice, discorda que se trate das Antilhas, consoante Gonçalo Fernandes de Oviedo preconiza nas suas Crónicas das Antilhas.

Na cartografia, estas ilhas relacionam-se mais com as Canárias do que com Cabo Verde, arquipélago por alguns autores associado às Dórcadas ou Górgonas (vd.), também mencionadas por Camões.

 Fragmento do livro GUIA TEMPLÁRIO DE PORTUGAL: A DEMANDA DAS ILHAS MÍTICAS, Gandra, Manuel J., novembro 2016

O Jardim das Hesperides, 1891-2 Frederic Lord Leighton

12 de julho de 2017

0 responses on "AS ILHAS MÍTICAS DO IMAGINÁRIO LUSO – Hespérides"

Deixe sua mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

topo
X