O Instituto Mukharajj Brasilan

Inovação radical em Cultura Simbólica Tradicional luso-afro-brasileira

Fundado em Abril de 1997, no Rio de Janeiro, é uma associação civil privada, entidade sem fins lucrativos que pesquisa, produz e divulga Cultura Oral e Simbólica Tradicional luso-afro-brasileira.

Instituto tem caráter perpétuo e desenvolve as suas atividades a partir da sua sede no Rio de Janeiro (Brasil).

Atuamos focados na construção, promoção e difusão da Língua, da Alta Cultura e da Tradição dos povos falantes de Língua Portuguesa, objetivando a construção de uma Cultura de Paz Universal.

santa

Como Trabalhamos

  • Promovemos a pesquisa e o ensino transdisciplinar de Cultura Oral Simbólica Tradicional luso-afro-brasileira;
  • Desenvolvemos projetos-especiais;
  • Desenvolvemos uma atividade editorial focada em Cultura Visionária;
  • Desenvolvemos uma linha de gastronomia vibracional e votiva;
  • Divulgamos acervo especializado em História e Cultura Simbólica Tradicional luso-afro-brasileira;
  • Criamos, conservamos e divulgamos uma biblioteca especializada em nossas áreas de atuação;
  • Divulgamos e disponibilizamos autores e obras sobre Cultura Simbólica Tradicional;
  • Divulgamos e disponibilizamos obras e autores visionários, heterodoxos e marginados no aro lusíada;
  • Apoiamos projetos inovadores e radicais que promovam e difundam a Língua, a Cultura e a Tradição dos povos falantes de Língua Portuguêsa

Projetos

Nossos Projetos, criados a partir das nossas pesquisas e do nosso acervo documental, objetivam:

a) Criação de uma maior consciência do valor e importância da Cultura Simbólica Tradicional luso-afro-brasileira no quotidiano;

b) Constituir um banco de dados e promover a sua difusão num âmbito nacional e internacional. Nas áreas temáticas: História, Cultura Simbólica, Tradição Oral, Filosofia e Hermetismo, Arte e Imaginária                                                         

Equipe e Propósito

Fomentamos a pesquisa e o estudo transdisciplinar da Cultura Oral e Simbólica Tradicional luso-afro-brasileira. Objetivamos construir um banco de dados e promover a sua difusão num âmbito nacional e internacional com o propósito de criar uma maior consciência do valor e importância da Cultura Simbólica Tradicional no cotidiano, tornando-nos um centro de referência em Cultura Oral e Simbólica Tradicional luso-afro-brasileira, assegurando inovação radical, excelência e ineditismo em tudo o que fazemos.

No desempenho de sua missão, promoverá todo o tipo de iniciativas e ações adequadas, bem como, facultará gratuitamente fontes e bibliografias para consulta, estudo e pesquisa além de publicação e divulgação de seus trabalhos, eventos e produtos.

Atuamos focados em inovação radical à serviço da Paz.

cavaleiro

Nosso Diferencial

É a nossa práxis. Somos movidos pela inquietação, pela vocação à pesquisa do excluído e do inédito, pela busca do transversal e do subterrâneo. Nossas ações e projetos, combinam a revitalização dos saberes tradicionais e criatividade de vanguarda com soluções inovadoras e radicais, construindo caminhos, parcerias e produtos que fazem a diferença, agregam valor e alcançam excelência em seus propósitos.

Nossa metodologia, mobilizando a criatividade de muitos, sem fórmulas ou receitas prévias, incentiva e lida com o que há de mais pragmático e mais sutil, conseguindo motivar, superar, gerar insights, comunicar, dividir.

Nosso diferencial é a nossa capacidade de miscigenar idéias, ideais e resultados, colocando o Conhecimento ao Serviço da Paz.

Governança

O Instituto Mukharajj Brasilan tem, além de sua Diretoria, um conselho consultivo que auxilia nas tomadas de decisão e transparência da instituição.

Instituto Mukharajj Brasilan: Loryel Rocha (Presidente)

Conselho Consultivo: José Santiago Naud (UnB/IHGB-DF); Jussara Rocha Ferreira (UnB); Gilda Moura (Alubrat); Ana Donnard (UFU); Lúcia Helena Alves de Sá (Casa Agostinho da Silva/DF); Chenia R. Figueiredo Ávila (UnB); Márcia Barroca (UBE-RJ); Edir Meirelles (Academia Luso-Brasileira de Letras); Amândio Silva (AMN); Marcos de Jagum (Babalorixá); Carlos de Almeida Barata (IHGB-RJ); Vera Fróes Fernandes (Viridis/IECAM); Déborah Pereira (Terapeuta), Raimundo Nonato Lúcio (Erveiro).

SENA-1337

topo