• IMUB

AMULETOS da Tradição Luso-Afro-Brasileira – BALANGANDÃ

Jóia-amuleto sincrética (afro-brasileira e cristã), destinada a proteger a portadora do *mau-olhado e a atrair para ela a fertilidade. Muito comum no Brasil, é constituído por um ou mais cordões em ouro ou prata, usados à cintura, dos quais pendem distintos amuletos (entre 20 a 50), a saber: *figa, *meia-lua, *moeda com cruz, *cruz, *signosaimão, *arrelica, *cornicho, *coração, *romã, pomba, etc., numa sequência não aleatória. O viajante norte-americano Thomas Ewbank observou tais penduricalhos ou berloques em mulheres negras, mestiças, brancas e até em crianças, no Rio de Janeiro, durante o século XIX. Outrora, Minas Gerais foi o maior centro produtor das pencas de balangandãs, outra das designações deste amuleto compósito, doravante, muito difundido na Baía, de onde são oriundas as mais elaboradas peças desta joalharia, sacralizada nos terreiros antes de usada. Hodiernamente, os balangandãs-pulseira, produzidos na Turquia, são uma variante muito popular entre as adolescentes nacionais.

Fragmento do livro AMULETOS da Tradição Luso-Afro-Brasileira de Manuel J. Gandra

13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O PAPEL DE LULA NO CONTROLE DA ESQUERDA

Carlos Vereza (2006) no programa Jô Soares afirma uma verdade insofismável: “O Lula é uma cria da USP, das Comunidades Eclesiais de Base e do Gen. Golbery do Couto e Silva”. Confirma um dado important

A MAÇONARIA NO CÓDIGO DE DIREITO CANÔNICO DE 1917

A Maçonaria, lançada oficialmente, em 1717 nasce com uma tripla missão: derrubar a relação entre o Trono e o Altar e implantar a República Maçônica Universal.  Tal missão, em suma, visava simplesmente